Atendimento: Segunda a Sexta 12h às 18h

TBT Sapucaia – Capítulo5

TBT Sapucaia – Capítulo5

CAPÍTULO V – TERRA DA FARINHA

Logo após a chegada aos Campos de Viamão e, mais especificamente às Paragens do Sapucaia, os casais açorianos conheceram o alimento que iria nutri-los e sustentar suas famílias por muitas gerações. Era a mandioca. Manihotesculenta, , macaxeira, aipim, castelinha, uaipi, mandioca-doce, mandioca-mansa, maniva, maniveira, pão-de-pobre, mandioca-brava e mandioca-amarga. Planta tuberosa da família das Euphorbiaceae. Essa raiz que podia ser consumida de muitas formas, aqui se notabilizou pela produção de farinha. Essa farinha era o principal alimento consumido com carne fresca ou carne seca. Originária da culinária indígena a mandioca se incorporou definitivamente a alimentação dos brasileiros.

Pois em Sapucaia existia a maior concentração de atafoneiros do Estado, bem como a maior plantação de mandioca do século XIX e início do século XX. As atafonas era os moinhos que transformavam a raiz em farinha, utilizando técnicas simples já utilizada pelos nativos. As casas de farinha ou atafonas espalhavam-se por todo o território da região.

João Machado tinha sua atafona na Estrada Sapucaia para São Leopoldo, atual Avenida Rubem Berta, perto do Arroio José Joaquim; um pouco antes funcionava a atafona de Pedro Johann. Após os trilhos do trem havia a atafona de Clementina Bastos. Um pouco além, a de Antônio Leandro Batista (morto por envenenamento com toda a sua família, por bolinhos feitos por uma filha de nome Malvina). Seu irmão, Ângelo Batista de Mattos tinha sua casa de farinha no atual bairro Nova Sapucaia, perto da atafona de Modesto Dias.

No Arroio do Moinho (Velho) funcionava o estabelecimento da família Cassel. Já Henrique Prass tinha um alambique junto a sua atafona no lado de baixo do Morro Sapucaia ao lado da atafona de João Freitas (pai do ex-prefeito João Freitas Filho), tendo nas proximidades a atafona do Onofre. Arthur Kenats e seu irmão também tinha atafonas na localidade. Encostada ao Morro Sapucaia tínhamos as atafonas de Afonso Ramires, Antônio Bernardo e João Bernardo. Na atual divisa entre Esteio e Canoas, na época Sapucaia, funcionava a atafona de Serafim Pereira de Vargas. Cassiano Silveira tinha atafona perto dos Três Portos e João da Clara junto as terras de Serafim Pereira de Vargas. No Carioca tínhamos o estabelecimento de Otaviano Silveira, filho de Maneca Silveira.

A afirmação de que Sapucaia era a Terra da Mandioca ou Terra da Farinha está reforçada pelo relato de VittórioBuccelli no livro “ Um Viaggio Rio Grande del Sud” publicado em 1906 em Milano, Itália pela Officine Cromo-Tipografiche L.F. Pallestrine& Cia. Ltda: “ Sapucaia é a terra das laranjas e bergamotas e da figueira cuja sombra pode abrigar uma centena de pessoas. Nas suas terras cultiva-se largamente a mandioca, uma raiz que seca se reduz a farinha de grande uso em todo o Brasil. Um tipo de mandioca se come, é o aipim; a outra é venenosa, usada para farinha”.

Foi a farinha fornecida pelos moradores de Sapucaia aos alemães recém-chegados em 1824, que possibilitou a manutenção dessas famílias e a sua integração no contexto local.

 

Eni Allgayer

18/04/2021

Anterior Decreto 4675.2021

Deixe seu comentário

Conecte-se conosco:

Av. Leônidas de Souza, 1289
Santa Catarina
CEP: 93210-140

Atendimento:

Segunda à Sexta: 12h às 18h

Prefeitura Municipal de Sapucaia do Sul/RS . Todos os Direitos Reservados.

Skip to content